segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Menina Caprichosa no Túnel do tempo; Anos 60

Hello meninas, estou aqui com mais um post sobre Moda, sim faz umas duas semanas já que estou com essa série de posts sobre a Moda, queria ter um cantinho de história aqui também, é bem legal aprendermos e nos inspirarmos no passado, confira os outros posts abaixo:
- Moda Anos 20
- Moda Anos 30
- Moda Anos 40
- Moda Anos 50

1. História
Na história aconteceram vários fatos...em agosto de 1961, ocorre a construção do Muro de Berlim e no final da década de 1960: aumentam os protestos nos Estados Unidos e no mundo contra a Guerra do Vietnã. Fortalecimento dos movimentos pacifistas.Em 3 de janeiro de 1961, os Estados Unidos rompem as relações diplomáticas com Cuba.

Em 22 de novembro de 1963, enquanto fazia uma visita à Dallas, o presidente J. F. Kennedy é assassinado e oura morte ia acontecer em 4 de abril de 1968, o assassinato do ativista pelos direitos civis Martin Luther King.

Em abril de 1960, os Estados Unidos lançam o primeiro satélite meteorológico. Em 12 de abril de 1961, o russo Yuri Gagarin torna-se o primeiro homem a entrar no espaço. E lá em 20 de julho de 1969, através da missão Apollo 11 o homem chega na lua.

Na tecnologia ocorre o lançamento, em 1960, do primeiro computador eletrônico com disco rígido, o RAMAC 305, pela empresa IBM. Em 1964, a IBM lança o primeiro chip de computador. No mês de outubro de 1969, é enviado o primeiro e-mail da história entre computadores localizados em áreas distantes  logo mais ocorre a criação da ArpaNet, em abril de 1969, o embrião da Internet.



*Surgiu o telefone
 Há muita controvérsia sobre a invenção do telefone, que geralmente tem sido atribuída a Alexander Graham Bell.
Entretanto, como reconheceu o Congresso dos Estados Unidos através da resolução 269, de 15 de junho de 2002, o aparelho foi inventado por volta de 1860 pelo italiano Antonio Meucci, que o chamou "telégrafo falante"... 

A primeira demonstração pública da invenção de Meucci teve lugar em 1860, e teve sua descrição publicada num jornal de língua italiana de Nova IorqueAs televisões  americanas  programas de rádio passaram a usa-lo.
No Brasil os primeiros telefones foram instalados no Rio de Janeiro. Em 1883 a cidade contava com 5 centrais telefônicas, cada uma com capacidade para 1000 linhas, e também funcionava a primeira linha interurbana, ligando o Rio a Petrópolis.


  Na medicina em 1967, na África do Sul, ocorre o primeiro transplante de coração. Em maio de 1968, o primeiro transplante de coração é realizado no Brasil.


Aqui no Brasil em 21 de Abril de 1960, a capital do Brasil é transferida do Rio de Janeiro para Brasília. Em 3 de outubro de 1960, Jânio Quadros é eleito presidente do Brasil. Em 25 de agosto de 1961, Jânio Quadros renuncia. Foi em 31 de março de 1964, um golpe militar no Brasil  tira do poder o presidente João Goulart. Início da ditadura militar no Brasil.
2. Esporte
Em 1962, é realizada a Copa do Mundo de Futebol no Chile. O Brasil torna-se bi campeão mundial. Em 1966 Copa do Mundo de Futebol na Inglaterra, realizada .Inglaterra campeã e em outubro de 1968, ocorrem as Olimpíadas do México.




3. Publicidade
A publicidade em sua maioria era feita de populuxe ( popularidade + luxúria). Era dominada por uma essência de consumismo vendendo produtos que " prometiam" resolver os problemas da vida da pessoa. Percebemos também o uso de crianças meio bizarras pra divulgação de alimentos era de dar medo embora a intenção não fosse essa.


4. Cultura e Arte
Em dezembro de 1967 é criada a FUNAI (Fundação Nacional do Índio).Ocorre a  Inauguração do MASP (Museu de Arte de São Paulo) em 7 de novembro de 1968.

5. Música
Em novembro de 1962 é gravado o primeiro disco dos Beatles intitulado Please, Please, Me. O lançamento ocorre em março de 1963. Esta década foi marcada pelo grande sucesso musical desta banda de rock.

 No I Festival de MPB (1965), com a canção Arrastão, de Edu Lobo e Vinicius de Moraes, Elis Regina começa a fazer sucesso no cenário musical brasileiro.
Em 1965, a TV Record lança o programa dedicado a música brasileira chamado de "Jovem Guarda". O programa durou até o ano de 1968. Ocorre a realização, em 1969, do Primeiro Festival de Woodstock nos Estados Unidos.

No Brasil, a maior influência no som e no comportamento eram programas como Jovem Guarda e Brotos, que lançaram artistas como Roberto Carlos e Ronnie Von. Mesmo diante da difícil realidade da Ditadura Militar, eles ensinavam por que (e como!) valia a pena se divertir.

Na balada: No quesito comportaento o beijo só rolava depois de muito namoro.Nas boates, só maiores de 18 podiam entrar. Não que isso exigisse muito controle: os mais novos nem as consideravam uma opção de diversão. Para eles, as festas eram na casa dos amigos, na escola ou no clube, devidamente supervisionadas e encerradas antes da meia-noite. Assim como hoje em dia, drogas eram ilegais. Poucos baladeiros se arriscavam. Um ou outro mais "moderninho" fumava maconha, mas sempre do lado de fora. Nos EUA, a erva ganhava espaço com o movimento hippie e dava o pontapé inicial na psicodelia mais isso no final da década. Os drinques da época eram a cuba libre (rum com Coca-Cola) hi-fi (vodca com refrigerante de laranja) ( ..." Foi numa festa, gelo e cuba-libre eita Roupa Nova)...Tinham tudo a ver com a transição do público: misturavam algo adulto (a bebida alcoólica, geralmente duas doses) e algo infantil (o refri, servido até completar o copo).

Os meninos absorveram tudo dos Beatles: do cabelo comprido no corte "cuia" aos terninhos. Calças de bocas largas e paletós despojados também funcionavam. Para as garotas, quem ditava regra era a modelo Twiggy, com maquiagem bem marcada nos olhos. Pernocas de fora (em minissaias ou tubinhos curtos) ganhavam as ruas.
  
 Os discos eram de vinil. A troca exigia habilidade, já que era preciso colocar a agulha da vitrola no ponto exato. O point eram as lanchonetes.
Principais faixas:

• I Want To Hold Your Hand - The Beatles
• I'm A Believer - The Monkees
• Sugar, Sugar - The Archies
• Honky Tonk Women - The Rolling Stones
• Banho de lua
• Biquini De Bolinha Amarelinha
• Era um garoto

6. TV & Cinema
Em 1 de maio de 1963, a TV Tupi faz a primeira transmissão em cores da televisão brasileira e no ano de 1965 é transmitido pela televisão o I Festival de MPB. 
Mesmo com os rumores de transmissões coloridas desde os anos de 1940, somente em 1950 e 60 é que a TV em cores se popularizou no EUA e Europa. No Brasil, no ano de 1963, foi feita uma transmissão experimental em cores, mas somente nos anos 70 elas chegaram oficialmente à casa de alguns brasileiros. Transmissões ao vivo já eram comuns, mas coloridas somente em 1972, com a transmissão de uma festa típica da cidade de Porto Alegre pela TV Difusora.
Já no cinema os filmes mais populares da época:

1.Psicose (1960)

2.Bonequinha de Luxo (1961)
3.A Pantera Cor de Rosa (1963)
4.007 Contra Goldfinger (1964)
5.Mary Poppins (1964)
6.A Noviça Rebelde (1965)


7.Bonnie e Clyde - Uma Rajada de Balas (1967)
8.O Planeta dos Macacos (1968)
9.O Bebê de Rosemary (1968)
10. 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968)
11. Funny Girl - A Garota Genial (1968)
12. Butch Cassidy e Sundance Kid (1969)
Chelsea Girls - filme experimental de 1966*

7. Boys
Para os homens, a moda dos anos 60 chega com tudo, à grande influência do figurino masculino foram os rapazes dos Beatles. Peças que viraram clássicas no guarda-roupa masculino como os paletós sem colarinho, as calças com modelagens mais ajustadas, cintura baixa, tecidos nobres e em cores ousadas como vermelho e rosa, principalmente nas camisas. Sem falar das japonas de pescador, silhueta ajustada corpo e a gola rolê. Os cabelos masculinos também cresceram. Os calçados eram totalmente inovadores confeccionados em matérias como o vinil.

O cabelo passou a ser mais comprido e puxado para a frente no que ficou conhecido como "corte à Beatle" ele caía sobre as orelhas e colarinhos e tinha uma grande franja. O estilo tornou-se tão popular que os fabricantes de brinquedos da época começaram a produzir perucas.

8. Personalidades Públicas
Nessa época, Londres havia se tornado o centro das atenções, a viagem dos sonhos de qualquer jovem, a cidade da moda. Afinal, estavam lá, o grande fenômeno musical de todos os tempos, os Beatles, e as inglesinhas emancipadas, que circulavam pelas lojas excêntricas da Carnaby Street, que mais tarde foram para a famosa King's Road e o bairro de Chelsea, sempre com muita música e atitude jovens.

A modelo Jean Shrimpton era a personificação das chamadas "chelsea girls". Sua aparência era adolescente, sempre de minissaia, com seus cabelos longos com franja e olhos maquiados. Catherine Deneuve também encarnava o estilo das "chelsea girls", assim como sua irmã, a também atriz Françoise Dorléac. Por outro lado, Brigitte Bardot encarnava o estilo sexy, com cabelos compridos soltos rebeldes ou coque no alto da cabeça (muito imitado pelas mulheres).Entretanto, os anos 60 sempre serão lembrados pelo estilo da modelo e atriz Twiggy, muito magra, com seus cabelos curtíssimos e cílios inferiores pintados com delineador.
9. Beleza e Make
A maquiagem era essencial e feita especialmente para o público jovem. O foco estava nos olhos, sempre muito marcados. Os batons eram clarinhos ou mesmo brancos e os produtos preferidos deviam ser práticos e fáceis de usar. Nessa área, Mary Quant inovou ao criar novos modelos de embalagens, com caixas e estojos pretos, que vinham com lápis, pó, batom e pincel. Ela usou nomes divertidos para seus produtos, como o "Come Clean Cleanser", sempre com o logotipo de margarida, sua marca registrada (Nos dias de hoje é Yasmine). 


Os cabelos  mais discretos, comportados ou extravagantes, as madeixas ganhavam novas formas e era parte importantíssima na criação de um visual seiscentista. Enquanto Elvis inspirava o público masculino com seu topete lindo e brilhante, a atriz e cantora francesa Brigitte Bardotera a musa inspiradora das mulheres da época. 

Os penteados usados por ela virou tendência e se propagaram até os dias de hoje, compostos por volume e bastante expressivos davam beleza, elegância e não abria mão da sensualidade, principal característica da atriz.
Os cabelos anos 60 e penteados também estão voltando com tudo e não dá para negar que são diferentes e belos. O cabelo da cantora Amy Winehouse tinha forte inspiração dessa década e não é a toa que fez sucesso no mundo inteiro, foi pelo estilo e originalidade, teve o seu look apreciado e copiado por mulheres do mundo todo.
Nessa época o laquê foi muito usado que é o que hoje chamamos de spray fixador. Assim como hoje em dia os cabelos anos 60 tinham vários estilos e cortes, desde os mais curtos aos compridos e sempre com a raiz alta como a atriz Brigitte Bardot (que foi a sex symbol da década) usava.

Para os cabelos anos 60 o volume era fundamental e muitas pessoas com os cabelos muito lisos faziam permanente para ter um volume extra, dados pelos cachos feitos artificialmente. O volume era muito presente se usava até esponja de aço para encher coques, eram tão explorados que a técnica se tornou até caseira e fez sucesso por muitos anos. Na época muitas pessoas misturavam água e açúcar com um pouco de cerveja para ter um potente fixador para os cabelos, essa receita prática e caseira foi bastante usada também nesse período.

Quanto mais volumoso e alto o penteado, melhor. Além do permanente, os rolinhos do babyliss também se encontravam em alta e faziam a cabeça das mulheres literalmente, em busca de mais volume.
As perucas também entraram na moda na década de 1960 com várias cores, modelos e preços e venderam muito durante os anos considerados de ouro da moda. Elas eram fabricadas com uma nova fibra sintética chamada kanekalon que fez com que pudessem ser vendidas mais baratas do que as de cabelo natural.
Depois do ano de 1963 o secador e a escova redonda passaram a ser usados, e se tornaram uma forte influência para a década seguinte, e fez sucesso mesmo com vários cabeleireiros voltados aos penteados volumosos e com ornamentos. O “banana” marcou época, e ele é usado até hoje, é um penteado super clássico que fica bem em pessoas de vários estilos.
A partir de 1967 o Black Power entrou na moda com a cantora Angela Davis, que se tornou um dos símbolos do orgulho negro. Internacionalmente o guitarrista Jimmy Hendrix e nacionalmente o ator Tony Tornado reforçaram esse estilo.
Nessa década os enfeites dos cabelos ficaram exagerados e não era usado nada muito clean ou pequeno, e sim para ser com certeza visto. Dá para notar a presença de grandes laçarotes e de cores bastante vivas, combinando com a roupa e o sapato.
            Brasil levou o Miss Universo em 1963 & 1968.


Ieda Maria Vargas - Brasil 1963



Martha Vasconcellos - Brasil 1968


10. Moda
Os anos 50 chegaram ao fim com uma geração de jovens, filhos do chamado "baby boom", que vivia no auge da prosperidade financeira, em um clima de euforia consumista gerada nos anos do pós-guerra nos EUA. A nova década que começava já prometia grandes mudanças no comportamento, iniciada com o sucesso do rock and roll e o rebolado frenético de Elvis Presley, seu maior símbolo.

A imagem do jovem de blusão de couro, topete e jeans, em motos ou lambretas, mostrava uma rebeldia ingênua sintonizada com ídolos do cinema como James Dean e Marlon Brando. As moças bem comportadas já começavam a abandonar as saias rodadas de Dior e atacavam de calças cigarette, num prenúncio de liberdade.

Os anos 60, acima de tudo, viveram uma explosão de juventude em todos os aspectos. Era a vez dos jovens, que influenciados pelas idéias de liberdade "On the Road" (título do livro do beatnik Jack Keurouac, de 1957) da chamada geração beat, começavam a se opor à sociedade de consumo vigente. Nesse cenário, a transformação da moda iria ser radical. Era o fim da moda única, que passou a ter várias propostas e a forma de se vestir se tornava cada vez mais ligada ao comportamento.


Conscientes desse novo mercado consumidor e de sua voracidade, as empresas criaram produtos específicos para os jovens, que, pela primeira vez, tiveram sua própria moda, não mais derivada dos mais velhos. Aliás, a moda era não seguir a moda, o que representava claramente um sinal de liberdade, o grande desejo da juventude da época.

Algumas personalidades de características diferentes, como as atrizes Jean Seberg, Natalie Wood, Audrey Hepburn, Anouk Aimée, modelos como Twiggy, Jean Shrimpton, Veruschka ou cantoras como Joan Baez, Marianne Faithfull e Françoise Hardy, acentuavam ainda mais os efeitos de uma nova atitude.


Na moda, a grande vedete dos anos 60 foi, sem dúvida, a minissaia. A inglesa Mary Quant divide com o francês André Courrèges sua criação. Entretanto, nas palavras da própria Mary Quant: "A idéia da minissaia não é minha, nem de Courrèges. Foi a rua que a inventou". Não há dúvidas de que passou a existir, a partir de meados da década, uma grande influência da moda das ruas nos trabalhos dos estilistas.
 Mesmo as idéias inovadoras de Yves Saint Laurent com a criação de japonas e sahariennes (estilo safári), foram atualizações das tendências que já eram usadas nas ruas de Londres ou Paris.

Nasceram outros estilistas como Ossie Clark, Jean Muir e Zandra Rhodes. Na América, Bill Blass, Anne Klein e Oscar de la Renta, entre outros, tinham seu próprio estilo, variando do psicodélico (que se inspirava em elementos da art nouveau, do oriente, do Egito antigo ou até mesmo nas viagens que as drogas proporcionavam) ou geométrico e o romântico.


Em 1965, na França, André Courrèges operou uma verdadeira revolução na moda, com sua coleção de roupas de linhas retas, minissaias, botas brancas e sua visão de futuro, em suas "moon girls", de roupas espaciais, metálicas e fluorescentes. Enquanto isso, Saint Laurent criou vestidos tubinho inspirados nos quadros neoplasticistas de Mondrian e o italiano Pucci virou mania com suas estampas psicodélicas. Paco Rabanne, em meio às suas experimentações, usou alumínio como matéria-prima.

Os tecidos apresentavam muita variedade, tanto nas estampas quanto nas fibras, com a popularização das sintéticas no mercado, além de todas as naturais, sempre muito usadas. As mudanças no vestuário também alcançaram a lingerie, com a generalização do uso da calcinha e da meia-calça, que dava conforto e segurança, tanto para usar a minissaia, quanto para dançar o twist e o rock.


O unissex ganhou força com os jeans e as camisas sem gola. Pela primeira vez, a mulher ousava se vestir com roupas tradicionalmente masculinas, como o smoking que foi lançado para mulheres por Yves Saint Laurent em 1966.


A alta-costura cada vez mais perdia terreno e, entre 1966 e 1967, o número de maisons inscritas na Câmara Sindical dos costureiros parisienses caiu de 39 para 17. Consciente dessa realidade, Saint Laurent saiu na frente e inaugurou uma nova estrutura com as butiques de prêt-à-porter de luxo, que se multiplicariam pelo mundo também através das franquias. Com isso, a confecção ganhava cada vez mais terreno e necessitava de criatividade para suprir o desejo por novidades. O importante passaria a ser o estilo e o costureiro passou a ser chamado de estilista.


O estilo da "swinging London" culminou com a Biba, uma butique independente, frequentada por personalidades da época. Seu ar romântico retrô, aliado ao estilo camponês, florido e ingênuo de Laura Ashley, estavam em sintonia com o início dofenômeno hippie do final dos anos 60.


No Brasil, a Jovem Guarda fazia sucesso na televisão e ditava moda. Wanderléa de minissaia, Roberto Carlos, de roupas coloridas e como na música, usava botinha sem meia e cabelo na testa (como os Beatles). A palavra de ordem era "quero que vá tudo pro inferno".
         

No final dos anos 60, de Londres, o reduto jovem mundial se transferiu para São Francisco (EUA), região portuária que recebia pessoas de todas as partes do mundo e também por isso, berço do movimento hippie, que pregava a paz e o amor, através do poder da flor (flower power), do negro (black power), do gay (gay power) e da liberação da mulher (women's lib). Manifestações e palavras de ordem mobilizaram jovens em diversas partes do mundo.

A esse conjunto de manifestações que surgiram em diversos países deu-se o nome de contracultura. Uma busca por um outro tipo de vida, underground, à margem do sistema oficial. Faziam parte desse novo comportamento, cabelos longos, roupas coloridas, misticismo oriental, música e drogas.


No Brasil, o grupo "Os Mutantes", formado por Rita Lee e os irmãos Arnaldo e Sérgio Batista, seguiam o caminho da contracultura e afastavam-se da ostentação do vestuário da jovem guarda, em busca de uma viagem psicodélica.

A moda passou a ser as roupas antes reservadas às classes operárias e camponesas, como os jeans americanos, o básico da moda de rua. Nas butiques chiques, a moda étnica estava presente nos casacos afegãos, fulares indianos, túnicas floridas e uma série de acessórios da nova moda, tudo kitsch, retrô e pop.


No Brasil, lutava-se contra a ditadura militar, contra a reforma educacional, o que iria mais tarde resultar no fechamento do Congresso e na decretação do Ato Institucional nº 5.


Talvez o que mais tenha caracterizado a juventude dos anos 60 tenha sido o desejo de se rebelar, a busca por liberdade de expressão e liberdade sexual. Nesse sentido, para as mulheres, o surgimento da pílula anticoncepcional, no início da década, foi responsável por um comportamento sexual feminino mais liberal. Porém, elas também queriam igualdade de direitos, de salários, de decisão. Até o sutiã foi queimado em praça pública, num símbolo de libertação.Foi um ano bem movimentado e marcante, eu adoro!  

E você sabia de alguma curiosidade me conta! Ah esqueci de falar mais meu filme preferido que se passa nessa época é HAIRSPRAY : Em busca da Fama. Sonho em um dia poder ver esse musical ♥. Ufa achei que não ia ter mais fim esse post e olha que não coloquei tudo! Até o próximo post , beijinhos ;*

4 comentários:

Ana Maria Liasch disse...

Ótimo post Allana, parabéns!
Cheio de informações interessantes.. muito bom mesmo!
Gosto muito de estudar história da moda, então gostei muito do post.. vou ver os anteriores que você fez sobre as outras décadas :)
Adorei seu blog, voltarei mais vezes!
Beijo!

http://brigadeirodeamora.blogspot.com.br/

Carla disse...

Tenho uma ligação tão forte com essa década! Amo a música, a arte, o cinema, a moda... E principalmente Os Beatles. kkkk

Beijinhos

www.burguesinhas.com.br

sarah saad disse...

شركة نقل عفش بالرياض
شركة نقل عفش بالدمام
شركة نقل عفش بمكة

sarah saad disse...

https://issuu.com/emc-mee/docs/______-____________-__________-____ شركات نقل العفش بالدمام
https://issuu.com/emc-mee/docs/______-______-________________1_.do نقل عفش بالدمام
https://issuu.com/emc-mee/docs/______________________________.docx نقل اثاث بالدمام

Postar um comentário